" Apresento essa dança como uma imagem que se reflete turva, um contorno esburacado, uma forma contínua mesmo quando em pausa - um autorretrato de humor líquido e ruidoso. “Vítreo” é uma dança de olhar para si como se olha para o outro. O que em nós é transparência e o que é reflexo, assim como a natureza do vidro e a duplicidade de sua superfície, através da qual é possível ver o outro, transparência, e ao mesmo tempo ver a si mesmo, reflexo." [I.A]

Foto: João Priolli